Rss Feed
  1. quinta-feira, 5 de março de 2015

    Estou nos meus últimos dias de férias. Minha vida ociosa está lentamente se acabando. Na verdade, já era pra ter acabado completamente, mas alguns problemas com reformas mal planejadas (eu sei, universidades federais, sempre a mesma coisa, não importa onde você vá) fizeram com que meus dias de vadiagem em casa fossem prolongados.
    Nesses dias eu procurei o que fazer pra não ficar parada olhando pro teto até enlouquecer. Estudei coisas, li outras coisas, limpei a casa inúmeras vezes, peguei a bicicleta e fui resolver coisas que eu tava adiando desde que me mudei (tipo ir no banco, coisa que eu tive que fazer mais de três vezes pra resolver um único problema) e vi seriados até explodir. Comecei (de novo) e terminei de ver Dexter, vi Orphan Black, vi o que faltava de Orange is the new black, terminei Breaking Bad... E mais umas ou outras que não lembro agora.
    E hoje, eu resolvi ouvir música.

    Eu tenho altas faxinas pra fazer na casa e o único jeito de fazer faxina ser uma coisa suportável é ouvir música no processo, porque aí você dança (mal) enquanto varre a casa. Então, eu abri o Spotify e fiquei olhando pra tela tentando decidir o que eu queria escutar. E daí eu resolvi procurar músicas da Disney. Sério. 

    Essa aqui, especificamente.



    Essa música é sensacional, e sempre que eu escuto eu fico pelo menos uma semana cantarolando ela na minha cabeça, misturando as frases que eu sei da letra original com a versão em português (que também é linda, maravilhosa e sensacional).
    Daí eu emendei procurando outras músicas e comecei a lembrar de quando eu assistia esses filmes de manhã, antes de ir pra escola, todo santo dia.
    Pode anotar aí.

    Quando eu tinha uns, sei lá, cinco ou seis anos, a minha rotina começava com Rei Leão.

    Eu acordava de manhã, pegava a fita VHS e colocava no video e assistia o filme inteiro enquanto tomava café da manhã. Então o desenho terminava e eu rebobinava a fita (socorro, tem gente que não vai saber o que significa rebobinar) e assistia tudo de novo. As vezes eu ainda fazia isso uma terceira vez naquele mesmo dia. 
    Se tinha uma criancinha propensa a ser afetada por aquelas mensagens subliminares que o pessoal diz que tem nos desenhos da Disney, essa criancinha fui eu.

    Eu sei absolutamente todas as falas decoradas.
    De vez em quando Alex fala alguma coisa e eu solto uma frase de algum filme da Disney da minha infância e ele fica me olhando como se eu fosse completamente maluca. E eu devo ser mesmo.

    Mas o meu ponto aqui não são os meus probleminhas psicológicos que são óbvios e de conhecimento geral.

    O negócio é que: as músicas daqueles desenhos me trazem tantas lembranças que eu tenho vontade de explodir.
    Sério, eu tenho vontade de chorar com:



    Disney, sua linda, como você faz isso?
    E daí as pessoas começam a fazer versões das músicas e algumas delas são apenas sensacionais, e sabe por quê? Por que a música é boa. E mais, as versões em português das músicas dos filmes mais antigos da Disney são maravilhosas, como poucas músicas "traduzidas" hoje são. 

    Cês sabiam que tem um cd que chama Disney Adventures in Samba?

    Pois é, Taiane que me mandou. E os meus vizinhos devem ter ficado bem curiosos com o fato de que eu passei metade da minha manhã ouvindo "Eu vou, eu vou" dos sete anões cantado pelo Molejo. Juro.


    Me diga mesmo se é qualquer musiquinha de desenho animado que fica boa assim em samba? Sério, procurem no youtube a música da Bela e a Fera cantada pela Alcione. Dá vontade de chorar de tão maravilhosa.

    Ouvi todas essas e mais umas outras hoje pela manhã e lembrei de muita coisa da minha infância, muita coisa boa. Quando a Disney faz uma coisa ela capricha (claro, tem uma ou outra porcaria; até hoje eu não sei que merda foi aquela que eles fizeram com Anastasia, que filme horrível). 

    Eu cresci com esses desenhos. E aposto que vou continuar soltando frases que eu decorei quando era criança e nunca vou conseguir esquecer.

    ~
    Um brinde à quem teve uma infância mágica!
    |


  2. 0 comentários: