Rss Feed
  1. sexta-feira, 27 de novembro de 2009

    Fui dormir tardão ontem, e estudando.
    Mas já melhorei, voltei ao meu estado normal e nunca mais perco mais que 10min do meu sono por causa de uma prova, sério.
    Não sei o que foi que me deu, de verdade. Hoje nem tive vontade de tomar café da manhã. Tudo nervosismo.

    Odeio quando meu organismo sacaneia comigo.
    Enfim, não me atrasei pra prova por muito pouco. Inventei de pegar o ônibus que tem ar condicionado [já viu disso? pobre quando quer ser gente, só me ferro] e fiquei espirrando a prova inteira, e depois dela. Foi engraçado ouvir toda a história de uma tia que tinha uma moto, mas esta estava quebrada e ela teve que pegar ônibus e tava de mal humor por isso. Daí liga uma criatura [provavelmente familiar, porque a gente só aguenta esse tipo de agonia quando realmente gosta da pessoa] pedindo a tal moto emprestada.
    A tia gostava de falar alto.
    Fiquei com pena dela. A coitada devia tá pensando o tempo inteiro: Putz, podia tá indo de moto... Aí vem uma criatura pedir a moto emprestada. Eu no lugar dela, teria vontade de sentar no meio fio e chorar. Mas ela se manteve forte.

    Enfim..
    Quase fui atropelada na saída da xerox por um cara de música que tinha um senso de direção horrível. Fiz a prova com dor de cabeça e vim embora. O ônibus demorou por causa de um acidente em algum ponto antes. Mas chegou...

    E agora a coisa fica tensa.

    Eu moro quase no fim do mundo, e depois de fazer minha viagem pela banda de cá da cidade, tava quase perto da parada. O ônibus diminui. Todas as pessoas que vão descer, obviamente se levantam. Eu tava com o fone de ouvido, logo fico master distraída. Mas ainda assim ouvi o pipoco.

    O som da música tava alta, mas ainda assim, o pipoco foi estrondoso! Acho que foi só sensação, ou o motorista também se assustou como eu, porque eu senti o ônibus balançar. Não ouvi, por causa do fone, mas vi a galera bem desesperada. E foi quando ficou pior:
    Um cabo dos grandes veio 'voando', sabe quando você puxa um elástico e solta? Pronto, mais ou menos assim. Voou e bateu na lateral do ônibus, na cabeça de um cara que tava na calçada e em uns dois ou três carros.
    Eu tirei o fone nessa hora.

    Por um segundo, tudo ficou num silêncio absoluto. Não sei os outros mas eu tava esperando o cara que levou a pancada na cabeça cair no chão morrendo de choques [não que eu quisesse isso, mas era o que eu esperava que acontecesse]. Mas o cara continuou em pé, meio zonzo, porém inteiro, provavelmente pensando: Más que merda foi essa?

    Aí começou aquele escândalo habitual que se inicia só depois que todo mundo entende que tudo tá bem. É o tipo mais chato de escândalo. Todo mundo gritando pra todo mundo como se ainda desse pra morrer, mas todo mundo sabe que ninguém mais vai morrer! Mas insistem em gritar. E as pessoas que simplesmente querem entender o que aconteceu [como eu] ficam no vácuo. Eu não sei porque acham que ficar berrando: O que foi isso, o que foi isso? vai adiantar. Ninguém dá a mínima pra você no meio de uma calamidade, fato.

    Pescando um comentário aqui, outro ali, eu entendi:
    Tavam arrumando um poste. Logo, a energia tava desligada nas redondezas, acho. O fio tava meio baixo. Veio um caminhão e o fio prendeu. Daí já dá pra entender.

    Eu não me apavorei simplesmente porque depois do susto, minha cabeça devia tá processando o que eu tava ouvindo no fone



    com a cena de pânico e terror que se desenrolava na minha frente

    Mais ou menos assim. Não fazia muito sentido.
    Enfim, ninguém se machucou, o que foi uma sorte grande, porque a coisa poderia ter ficado feia ali.

    E eu estou viva, Hahaha.
    |


  2. 0 comentários: