Rss Feed
  1. quinta-feira, 22 de outubro de 2009

    Acho que eu devia mudar o nome do blog de #SemGraça pra #HistóriasdeÔnibus porque é só o que eu escrevo aqui ultimamente.

    Essa eu ouvi hoje.
    Nada contra a história de vida do rapaz, só achei interessante a naturalidade com que ele falou isso e o tom de voz que usava. Era alto. Meio ônibus ouviu. Eu, que sou meio surda, ouvi. Então...

    O cara tinha um sotaque de fora [de novo] e tava contando a uma amiga uma história mais ou menos assim:
    "- Tipo, com a primeira mulher meu pai teve 8 filhos, e mais 8 com a segunda¹. Daí casou com a minha mãe biológica e teve 3 com ela e mais eu. Mas aí eu fui criado pela minha mãe adotiva que já tinha mais 2 filhos. Mas eu visito sempre minha mãe biológica e me dou muito bem com ela..."


    E continuou desfiando sua história de vida, os lugares onde esteve e as mulheres que amou [brincadeira].
    O negócio é que eu fiquei imaginando a cena. Essa galera reunida num feriado, tipo Natal ou aniversário do pai [que pelo que eu entendi, era o único parentesco que o sujeito tinha com o resto da galera].

    Vamos raciocinar que cada mulher/ex-mulher traga todos os filhos pra comemorar o aniversário do paizão [também tou sugerindo, porque pelo que ele falou a coisa é tipo Toma Lá, Dá Cá, todo mundo feliz e amigo], e cada filho(a) traga a(o) namorada(o). E cada filho dos mais velhos traga um filho. Minha nossa.
    Nem me atrevo a fazer essa conta. Desisti de fazer contas no dia que afirmei convictamente que 3x7 era 14. Foi também quando eu desisti de fazer arquitetura e me resolvi por psicologia. Hê.

    Voltando:
    Imagina a cena. Pirralho pra todo lado. Bebês chorando, menino gritando, pirralho batendo em pirralho, o sangue descendo e ninguém sabe quem é o filho de quem. E vai que um menino desse se confinde na multidão e se perde? Pior que tumulto em show de forró [não que eu já tenha estado em algum, me respeite].


    E imagina se por acaso ocorre algum desentendimento?
    As proporções do desastre seriam monstruosas. Uma guerra com direito a gritos do tipo: "Isso é coisa do seu lado da família!" E o pior é que não daria pra saber quem deveria se ofender com isso ou não.
    Tenso.

    Minha família é bem pequena e já tem tumulto o suficiente.
    Mal dou conta dos meus 3 filhos e marido...
    Brincadeira, ok?

    É por essas e outras que as pessoas fazem uma coisa chamada 'planejamento familiar'. Tradução: Não tenha mais filhos do que você é capaz de suportar.



    Esperam que tenham tido um bom dia, porque o meu só não foi pior porque eu comi suspiro.
    |


  2. 1 comentários:

    1. Bob disse...

      Vamos ter sete meninas e um moleque! Ele pode ser o lobisomem da família, né..? Ou então, virar um vidinho afeminado =(