Rss Feed
  1. segunda-feira, 31 de agosto de 2009

    É, férias é bom.
    Mas o fato de 90% da galera que vc conhece estar em aulas não ajuda muito. E estar sem dinheiro pra sair também não é muito legal. E saber que essa é a segunda e última semana de férias é trash.
    E acordar de mau humor também não ajuda em nada.

    As pessoas querem sair hoje. Eu queria querer. Acho que vou me forçar a ir. Ficar em casa remoendo ódio nunca fez bem a ninguém. O melhor que eu faço é esfriar a cabeça, ver gente, conversar, rir.
    Mas é que eu tou tão.. sem vontade. Queria passar o resto do dia aqui ouvindo música e sem pensar em nada. O problema é que até isso é meio difícil. Fica voltando tudo voltando a minha cabeça. Tão incômodo.

    Vontades estranhas.
    Eu queria ir na praia. No meu cantinho, que faz um bom tempo que eu não vou lá [prometi a mim mesma que só iria quando tivesse forças], deitar sozinha na areia e ficar olhando o céu. Sem música, sem livro, sem troço nenhum. Só ficar ouvindo o barulho do mar e ficar pensando no quanto vai ser divertido lavar o cabelo pra tirar a terra depois, e como deve ter um sirizinho branco perto do meu pé, e como as pessoas estão passando na beira-mar e umas poucas devem notar que eu tou ali, e podem pensar que eu tou morrendo e correr pra conferir e como isso daria uma ótima história. E lembrar que eu não dou a mínima pra nada disso.

    Como eu não vou fazer nada disso, e não sei porque não, eu fico na internet, vendo se acho algo de interessante. Pense em ir no Mundo Gump e ler alguma coisa que, com certeza, me faria rir muito. Mas, por incrível que pareça, eu não tou com vontade de rir.

    Ontem de noite achei uma banda que eu nunca tinha ouvido falar, e que não tem jeito de ser muito famosa, Boyce Avenue. Achei no Youtube quando tava procurando umas músicas do Oasis [*--*] pra ouvir e ser feliz, quando achei um acústico que o cara fez de Wonderwall. Foi o primeiro que eu vi que ficou que preste. Daí saí olhando mais e mais coisas e achei outros acústicos dele. O cara pega música de todo estilo e muda total. Algumas, na minha opinião, ficaram melhores que a original.
    Sintam o drama.




    Eles têm acústico altas músicas de hip hop que eu tinha agonia de ouvir, porque as mulheres cantavam como se tivessem dor de barriga, e isso me irritava profundamente. Mas na voz desse cara, po, eu adorei.
    Recomendo.

    :*
    |


  2. sexta-feira, 28 de agosto de 2009

    É isso mesmo. Ontem eu surtei.
    Foi um troço muito estranho.
    Foi um dia normal. Passei o dia em casa, na net, na tv e lendo. Não sei se foi a quantidade excessiva de informação [a maior parte das vezes inútil] que eu recebi que me deixou zureta. Só parei pra pensar nessa hipótese agora.
    Sei que à noite, conversei um tempão com Bob no telefone, fui assistir 5ª Categoria e fui deitar pra dormir.
    Aí o que aconteceu foi agoniante:
    Parecia que tinham ligado minha cabeça na tomada. O pensamento tava acelerado, e vinham umas frases doidas e soltas na minha cabeça que não faziam sentido nenhum. E eu percebia isso mas elas continuavam vindo e vindo no meio dos meus pensamentos 'normais'. Eu respirei fundo, tentei parar a agitação, mas quando eu fechava os olhos, começava tudo de novo, me dando uma agonia infeliz.
    Foi bem desesperador. Tava me sentindo meio maluca, mas a minha vontade era mandar meu cérebro calar a boca. OK, admito, eu tenho essa vontade a maior parte do tempo. Eu penso demais. Merda demais, normalmente. Mas ontem foi tenso.
    Imagine um pirralho enlouquecido e agitado, querendo brincar enquanto todo mundo ao redor dele quer simplesmente ficar quieto e dormir. E essa criatura irritante não pára de gritar e pular e falar. Pronto, foi mais ou menos assim que eu me sentir. Mas a criatura irritante era eu mesma, dentro da minha cabeça! Será possível?

    Se em algum momento da minha pobre existência eu ousei pensar que tinha um traço de normalidade no meu ser, desisti ontem. Fato.
    |


  3. sábado, 1 de agosto de 2009

    Não quero mesmo.
    Não quero do fundo da minha alma.
    Não quero de jeito nenhum.
    Não quero e não quero querer.



    E tou ficando realmente com raiva.
    |